Carnaval

É uma época em que os dominicanos de todas as idades e de todas as regiões saem às ruas, em casa ou nas cidades carnavalescas vizinhas, para participar de desfiles com suas famílias e entes queridos.

Todos os domingos durante o mês de fevereiro, desfiles coloridos acontecem em todas as grandes cidades e regiões da RD e alguns deles chegam a se estender até a primeira semana de março. O Carnaval de La Vega é o maior, mais antigo e mais popular de todos, seguido pelo Carnaval de Santiago. Outras cidades que oferecem desfiles exclusivos incluem Santo Domingo, Montecristi, Bonao, Puerto Plata, Río San Juan e Barahona. Fantasias, máscaras e personagens místicos são distintos de cada área e revelam tradições e crenças folclóricas dominicanas, tão diversas quanto a população do país.

A temporada geralmente começa com um vibrante show carnavalesco de gala em salão realizado em Santiago e culmina com as comemorações do Dia da Independência em 27 de fevereiro. O evento mais colorido de todos é o Desfile de Carnaval Nacional, realizado no primeiro domingo de março na capital de Santo Domingo e que reúne grupos e personagens carnavalescos de toda a RD para um último grande carnaval pela avenida à beira-mar de Malecón da cidade.

Embora você possa visitar qualquer cidade carnavalesca por conta própria, várias agências de turismo também organizam passeios de carnaval durante o mês de fevereiro, especialmente para o Carnaval de La Vega.

CARNIVALcarnval-de-punta-canacaretacarnaval-964134672-oCarnaval2-X3OUR PEOPLE

Origem e História

O Carnaval na República Dominicana remonta a 1520, durante os tempos coloniais espanhóis. Alguns pesquisadores dizem que os primeiros eventos carnavalescos aconteceram como uma celebração de uma visita do Frei Bartolomé de las Casas, quando os habitantes se disfarçaram de mouros e cristãos.

Entre 1822 e 1844, a tradição de usar fantasias durante as festividades religiosas quase desapareceu durante a ocupação haitiana. Porém, ela retornou imediatamente quando o país conquistou sua independência em 27 de fevereiro de 1844. As fantasias deixaram de ser mais associadas a celebrações religiosas e evoluíam para carnavais reais, celebrados durante os três dias anteriores à quarta-feira de cinzas. Fevereiro foi então estabelecido como o mês do carnaval na República Dominicana.

 

Personagens

To fully enjoy and understand Dominican carnival, familiarize yourself with the main characters, and their significance in Dominican folklore.

Para curtir plenamente e entender o carnaval dominicano, familiarize-se com os principais personagens e seu significado no folclore dominicano.

El Diablo Cojuelo é o personagem principal do carnaval. Esse “diabo manco” veste um manto colorido adornado com pequenos espelhos, chocalhos, fitas e sinos, como uma paródia dos cavaleiros medievais espanhóis. Uma máscara com grandes chifres cobre o rosto do diabo, enquanto ele carrega um chicote redondo, ou vejiga, feito de uma bexiga de vaca seca e inchada, e segue a rota do desfile surpreendendo os espectadores distraídos com um chicote em suas nádegas.

A Roba La Gallina, ou “a ladrona de galinhas”, é uma mulher vestida com um vestido extravagante, em várias camadas, com seios grandes e bumbum exagerado, carregando uma bolsa enorme. Ela desfila nas ruas com um guarda-sol aberto, parando nos “colmados“, ou bodegas, implorando por seus filhotes, os jovens da cidade, que seguem atrás dela no desfile.

Los Lechones são o principal personagem carnavalesco de Santiago e também um tipo de diabo manco. Eles se diferenciam por suas máscaras, representando o rosto de um porco, com um longo focinho e chifres altos, e suas elaboradas fantasias que incluem um macacão colorido e frisado incrustado com sinos e laços. Seu papel é manter a ordem nas ruas durante as festividades, o que eles tentam fazer estalando seus chicotes no ar.

Los Taimáscaros são os principais personagens carnavalescos de Puerto Plata. Eles são uma versão do diablo cojuelo, combinando três influências culturais em suas roupas: uma máscara para representar os deuses tainos, blusas e casacos representando a herança espanhola e lenços que simbolizam divindades africanas.

Os Guloyas são de San Pedro de Macorís, e seus trajes de contas e chapéus de penas altas são impossíveis de confundir. Eles representam os descendentes africanos das ilhas vizinhas do Caribe de língua inglesa que migraram para a RD no início do século XX para trabalhar na indústria açucareira. Sua única música e dança de influência africana foram proclamadas Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO em 2005.  

Los Pintaos, de Barahona, desfilam em corpos intrincadamente pintados em várias cores, da cabeça aos pés, com apenas um pedaço de pano cobrindo sua nudez. Eles representam os escravos fugitivos dos quilombolas que se refugiaram nas montanhas do sudoeste de Bahoruco no século XVI.

Los Tiznaos, também conhecidos como Los Africanos, são personagens cujos rostos e corpos são pintados de preto com carvão e óleo lubrificante queimado. Eles retratam os africanos escravizados e dançam pelas ruas.

Los Alí Babá é um grupo de temas orientais, conhecido por fazer coreografias e realizar percussões.

Start typing and press Enter to search

Send this to a friend